Avenida é um dos um dos principais cartões de visita da capital cearense.
Local surgiu em em 1960 e tem o metro quadrado mais caro da cidade.

A Avenida Beira-Mar, com três quilômetros de extensão, reúne diferentes Fortalezas, cidades, estados e até países. Em um passeio por um dos principais cartões de visita da capital cearense é fácil encontrar de todo lugar, Jaguaribe, São Paulo, Modena. A avenida surgiu em 1960 e, atualmente, tem o metro quadrado mais caro da cidade: R$ 10 mil.

Para chegar até lá, tem gente que vai de carro, a pé, bicicleta ou skate. O vendedor ambulante Vadeci da Silva vai empurrando o carrinho de trabalho. Além de um local para encontros, passeios, exercícios e boas fotografias, a Avenida Beira Mar é um lugar de negócios. Na banquinha do comerciante Genival Santos do Carmo, já pararam italianos, franceses e espanhóis. Vanusia Nascimento se orgulha de ter vendido até para japoneses. “Eu uso a calculadora para me comunicar”.

Votação no aniversário de Fortaleza
Se você acha que a Avenida Beira-Mar é o símbolo de Fortaleza vote na enquete do G1 Ceará e escolha o local que é a cara da cidade. Nas próximas semanas, o CETV 1ª Edição vai retratar, além da Beira-Mar, a Lagoa de Messejana, a ponte sobre o Rio Ceará, o Theatro José de Alencar e a Praça do Ferreira em reportagens especiais e são estes locais que estão na enquete. A votação termina no dia 13 abril e o resultado será divulgado no CETV 1ª edição do dia 14.

Jardim e amigos
Do Oriente, além dos turistas, a Avenida Beira-Mar também ganhou o Jardim Japonês. O ponto turístico feita em homenagem “ao centenário da migração japonesa no Brasil” foi inaugurado em 11 de abril de 2011. O equipamento custou R$ 1,8 milhão e demorou dois anos e oito meses para ser finalizado.

A Avenida Beira-Mar também ganhou uma associação de amigos. Eles se reúnem para fazer exercício, bater papo e até cantar. O aposentado Raimundo Felício Neto, de 102 anos, é um dos que vai todos os dias.

Sabores
A Avenida Beira-Mar também abriga muitos sabores. Tem peixada, guaraná da Amazônia, o “mais doce abacaxi da cidade”, água-de-coco, camarão, milho. A baiana Lúcia Souza ajuda nessa mistura e há quase trinta anos vende acarajé no calcadão, um dos quitutes mais procurados pelos visitantes.

Casa
Na outra ponta, a Avenida Beira Mar preserva o que há de mais artesanal na tradição cearense: a pesca de jangada. A avenida de muitos prédios e hoteis tem sobreviventes do passado, como a Igrejinha de São Pedro e casa de dona Neuza Miranda construída há 51 anos e uma das poucas que resistiram. Ela herdou o imóvel do pai e conta que chegou no lugar onde não havia nem avenida ainda. Aos 97 anos, a moradora da Avenida Beira Mar diz que não sai. “Meu lugar é aqui”, conclui.

Orla de fortaleza (Foto: Rafael Almeida/TV Verdes Mares)
Avenida tem o metro mais caro da cidade, R$ 10 mil (Foto: Rafael Almeida/TV Verdes Mares)

 


Escrever Comentário